Sábado, 30 Ago 2014
Você está aqui:
Finalmente, garrafa tem gargalho ou tem gargalo? PDF Imprimir E-mail
Dom, 09 de Dezembro de 2012 18:09


Essa pergunta me foi feita por um leitor desta coluna. Respondi-lhe que não somente garrafa de cerveja, como também litro de uísque e outros vasilhames têm GARGALO, gogó, pescoço. É muito comum as pessoas confundirem essas duas palavras. Vejamos o que os dicionários as definem:
GARGALO: Subst. masc. (S.M) - Parte superior de garrafa ou doutro vasilhame, com entrada estreita (Aurélio Séc. XXI); GARGALO: S.M - Pescoço de garrafa ou de outra vasilha também com entrada estreita. (F. da Silveira Bueno).
GARGALHO: S.M - Escarro espesso (grosso) expelido com dificuldade (F. Silveira Bueno). GARGALHO: S.M - Escarro espesso, expelido a custo (Dic. Aurélio).
Portanto, caro leitor, ao se referir à parte superior da garrafa, diga: GARGALO, gogó, pescoço, garganta e nunca “gargalho”, porque pode provocar no ouvinte uma gargalhada.

Rã é feminino de sapo
Não. O feminino de sapo - grave bem - é sapa. Rã é o nome epiceno: Existe a rã macho e a rã fêmea. Alguns professores ainda ensinam a seus alunos que rã é feminino de sapo. Nunca foi.

Agora se escreve autoajuda sem hífen?
Exatamente, sem hífen. O prefixo “auto” só exige hífen antes de “o” (auto-ônibus) e de “h” (auto-hipnose).

Qual a pronúncia correta de Watt?
É “uót”, embora muitos insistam em dizer “vát”. Estamos cansados de ouvir locutores e repórteres dizerem que suas emissoras possuem potência de mil váts. Alguns têm a coragem de dizer “uáts”.

“Coloquemos as coisas em seus respectivos lugares”. Existe redundância?

Existe, sim. Respectivo já significa próprio, seu. Portanto, a construção preferível é: Coloquemos as coisas nos respectivos lugares. (Creio que agora colocamos as coisas em seus lugares...)

Existe redundância na frase “Exultei de alegria”?
Existe, sim. Em exultar já existe a ideia de contentamento, de satisfação. Ninguém, em parte alguma, exulta de tristeza.

Que curiosidade traz a palavra caldo?
A palavra caldo designava antigamente apenas e tão somente líquido quente, fervente, já que provém do latim “calidus” (quente). Veja que calhente (no espanhol é quente), beijos calhentes, no português são beijos quentes.
Hoje, porém, com a alteração semântica (mudança de significado das palavras), tomamos um caldo de cana gelado, dizemos simplesmente: o caldo está frio ou o caldo está quente. É mais um caso de catacrese.

Que curiosidade traz a palavra aula?
A palavra aula significava antigamente palácio, corte, assim como aúlico, ainda hoje, significa cortesão, palaciano.
Como veio a tomar o sentido que hoje possui, qual seja o de lição de uma disciplina?
É que antigamente os filhos dos nobres eram educados nos palácios, nas cortes. Tanto bastou para que a palavra acabasse tomando tal sentido.

Menos ou menas? (corrigenda)
Não existe na língua padrão a palavra “menas”. Entretanto, pessoas incultas e também cultas, supondo tratar-se de adjetivo variável, fazem concordância indevida com o substantivo a que se refere: Caderno de “menas” páginas. Corrija-se: Caderno de “menos” páginas. Lembre-se do ditado: Mais amor e menos confiança.

(*) Graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, funcionário do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral (CE). Contatos: (088) 9762-2542 // (088) 9409-9922.