O que são terremotos e como são medidos?

Os temidos terremotos ou sismos são tremores na crosta terrestre ocasionados pela oscilação das placas tectônicas presentes na litosfera, que está localizada abaixo da superfície terrestre.

As placas tectônicas se deslizam constantemente de maneira bastante lenta sobre uma região de magma, denominada de astenosfera.

Posso provar? Então, os movimentos das placas tectônicas são responsáveis pelos continentes à deriva e pelo surgimento de vulcões e montanhas.

O atrito presente nas placas irá acumular uma energia potencial (assuntinho maroto de física) que, ao ser liberada, irá provocar vibrações que irão se propagar pela crosta, causando os terremotos.

Como são medidos?

Existem, atualmente, duas maneiras de medir a força de um terremoto, sendo elas pela sua intensidade ou magnitude.

De maneira mais mastigada, a primeira forma de medir é utilizado os efeitos causados por ele na superfície terrestre, já a segunda, pela quantidade de energia liberada por ele.

Visando isso, existem dois meios de medição, para medir utilizando a energia liberada, é utilizado a Escala Richter, e para medir por intermédio de seus efeitos, é utilizado a Escala Mercalli.

Escala Richter

Terremotos, como são medidos?

É importante que saibamos que a Escala Richter surgiu em 1935 na Califórnia, EUA. E seus cálculos são realizados através dos sismogramas gerados pelos sismógrafos, que são aparelhos que monitoram a oscilação da superfície na qual estão localizados.

Cada unidade representativa da magnitude é o mesmo que dizer que aquela energia foi dissipada dez vezes mais que o grau anterior, ou seja, um terremoto de 5 graus na escala dissipa uma energia dez vezes maior que um terremoto de 4 graus.

Escala Mercalli

Em contrapartida, a escala Mercalli como vimos acima, irá medir a intensidade dos terremotos. Sendo criada em 1902, e sofrendo uma mutação em 1931 (sendo então chamada de, Mercalli-Modificada), ela possui 12 níveis indicados em algarismos romanos.

Sua intensidade de fato não é calculada, mas são observados alguns pontos que irão indicar o nível de “gravidade” digamos assim de cada terremoto.

O nível 1 (I) é quando ninguém sente, absolutamente NADA! Já o nível 12 (XII) é quando existe danos parciais. Ficou curioso para saber mais sobre os níveis? Clique aqui e veja um pouco mais sobre a escala.

Por que no Brasil não há terremotos?

Por que não há terremoto no Brasil?

Então, embora seja uma quase verdade, podemos considerar esta afirmação/pergunta como um mito, veja só. Não existem de fato terremotos no Brasil, sendo raros o surgimento dos mesmos.

E isso se dar em conta de que o Brasil está localizado no centro da placa tectônica Sul-Americana, não chegando a ter contato com nenhuma outra placa próxima.

Placa esta que é responsável por “cobrir” todo o Brasil e alguns países da AL (América Latina). A placa mais próxima da nossa é a de Nazca, que ocasiona terremotos no Chile.

Ou seja, os terremotos podem afetar de maneira indireta o nosso território, mas apenas alguns tremores.

Mas vale ressaltar que podemos “viver” terremotos em alguns anos, segundo pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais, foram descobertas 48 falhas no território brasileiro, e nestas falhas podem ocorrer terremotos.

Vale ressaltar que em algumas das falhas citadas acima, já foram foram registrado tremores, além disso, anualmente ocorrem os famosos “tremores de terra” em nosso país.

Considerações finais

Embora existam diversas maneiras de medir a força/intensidade de um terremoto, os mesmos ainda não podem ser “descobertos” pelos cientistas com antecedência, podendo então “evitar acidentes mais graves”.

Mas em um futuro bem breve, quem sabe… Vale ressaltar que a região que possui mais terremotos é a que é banhada pelo Oceano Pacífico, indo do Sul do Chile até a Nova Zelândia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *